Ferramentas Pessoais

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Você está aqui: Entrada / Estórias e Memórias / Ilustres Maiatos / Eurico Thomaz de Lima

Eurico Thomaz de Lima


 

EURICO THOMAZ DE LIMA

  (1908-1989)

PIANISTA, COMPOSITOR E PEDAGOGO

 

Eurico Thomaz de Lima nasceu na cidade de Ponta Delgada, Ilha de S. Miguel, Açores, a 17 de Dezembro de 1908. O seu pai chamava-se António Thomaz de Lima era violinista, compositor, maestro e professor no Conservatório Nacional de Lisboa. A sua mãe chamava-se Maria Ernestina Santos Lima. Com 13 anos, Eurico Thomaz de Lima foi estudar para o Conservatório Nacional de Lisboa, onde foi discípulo dos Mestres Alexandre Rey Colaço e Vianna da Motta em Piano, de Luís de Freitas Branco em Estética e História da Música e de Hermínio do Nascimento em Composição. Em 1929, Eurico Thomaz de Lima terminou o Curso Superior e de com Distinção e Louvor, obtendo a mais alta classificação até então concedida naquele Conservatório. O seu professor, Mestre Vianna da Motta, referindo-se ao jovem pianista, escreveu: “[...] Possui qualidades artísticas excepcionais, fina musicalidade que lhe permite penetrar inteligentemente o sentido das obras que executa, perfeição técnica, excelente sonoridade, maleabilidade de interpretação e a maior probidade artística [...]”. (Lisboa, Conservatório Nacional, 1929). Ainda aluno de Vianna da Motta, Eurico Thomaz de Lima começou a compôr. Em 1929, num concerto organizado pela Associação Académica do Conservatório Nacional, foram estreadas Valsa, Prelúdio e Estudo de Concerto para piano e Capricho, para violino e piano. Depois de ter terminado o seu curso, Eurico Thomaz de Lima iniciou a sua carreira de pianista, realizando em todo o país inúmeros concertos interpretando obras de sua autoria e de outros compositores. Nos anos de 1940/41, Eurico Thomaz de Lima, juntamente com outras figuras de relevo da cultura musical portuguesa, nomeadamente Madalena Sá e Costa, Paulo Manso e Leonor Vianna da Motta, apresentou-se em todo o país em Recitais de Música de Câmara integrados nas Missões Culturais do Secretariado da Propaganda Nacional.

Entre os anos de 1949 a 1952, este pianista virtuoso de craveira internacional realizou duas importantes tournées no Brasil, apresentando-se com êxito nas salas de concertos mais importantes daquele país. Compositor premiado pela Emissora Nacional de Radiodifusão Portuguesa, com Duas Canções para Canto e Piano (1940-1941), Eurico Thomaz de Lima compôs também obras orquestrais e de música de câmara, nomeadamente Depois de uma leitura de Camilo, Fantasia para piano e orquestra (1962), Suite Portuguesa para piano e flauta (1951) e Suite para violoncelo e piano (1957). De cunho marcadamente nacionalista, a sua obra caracteriza-se por um constante equilíbrio entre a ideia e a forma. Na literatura para piano, que constitui o maior número de obras do compositor, Fantasia à memória de Chopin (1941), Buchenwald, Protesto Musical (1945), Algarve, Suite em oito quadros (1941), Toccata para dois pianos (1952) são alguns dos exemplos em que os recursos sonoros dos instrumentos são utilizados com mestria. Algumas das suas obras foram editadas pela Casa Moreira de Sá e pela Editorial Franciscana. A sua discografia em vinil, foi editada no Brasil, França, Inglaterra e Estados Unidos. Além de pianista e compositor, Eurico Thomaz de Lima exerceu uma notável acção pedagógica em várias escolas do país, tendo leccionado na Academia de Amadores de Música de Lisboa e depois nas Academias Mozart, Beethoven e Parnaso no Porto. Durante vários anos dirigiu cursos de piano na cidade de Guimarães. Em 1965, Eurico Thomaz de Lima foi nomeado Director Artístico dos Cursos de Música e Belas-Artes, na cidade do Funchal, regressando ao Porto em 1967. A partir de 1972, Eurico Thomaz de Lima foi professor na Escola de Música Calouste Gulbenkian, em Braga. Depois de uma vida intensa dedicada à Música como pianista, compositor e pedagogo, Eurico Thomaz de Lima faleceu na Maia, a 8 de Junho de 1989, na cidade que adoptou e o acolheu nos seus últimos vinte anos de vida. Os seus restos mortais encontram-se sepultados na Freguesia de Vermoim, na Maia.


Não

Não

Imagem corrente JPEG image — 15 KB