Ferramentas Pessoais

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Você está aqui: Entrada / Estórias e Memórias / Pontos de Interesse / Moreira / Quinta do Mosteiro

Quinta do Mosteiro

A Quinta do Mosteiro remonta a muitos séculos atrás. A sua fundação é da autoria da ordem dos Agostinhos da Santa Cruz, no ano de 1060. Porém, durante mais de quinhentos anos, o tempo encarregou-se da sua degradação, tornando-se imperiosa a reconstrução do edifício. Foi então no século XVII que a Quinta começou a ser reconstruída pelo Prior Brandão, concluindo-se as obras em 1622. Já no século XIX o Mosteiro foi vendido a um desembargador, e alguns anos mais tarde, novamente vendido ao tribuno liberal, José Estevão Coelho de Guimarães.

A Quinta do Mosteiro atingiu todo o seu esplendor durante a posse do conselheiro Luís de Magalhães, na passagem para o século XX. Estadista, combatente monárquico e intelectual da geração de 70, Luís de Magalhães manteve grande intimidade com escritores como Oliveira Martins e Eça de Queirós, tendo este último referido algumas vezes, nas suas abras, a Quinta do Mosteiro e todo o seu especial encanto.

Hoje a Quinta continua a transmitir o mesmo esplendor. Dividida entre duas famílias, Sottomayor e Vanzeller, a Quinta do Mosteiro mantém-se presente no nosso património, guardando para si um passado quase milenar.

Location

  • A Quinta do Mosteiro remonta a muitos séculos atrás. A sua fundação é da autoria da ordem dos Agostinhos da Santa Cruz, no ano de 1060. Porém, durante mais de quinhentos anos, o tempo encarregou-se da sua degradação, tornando-se imperiosa a reconstrução do edifício. Foi então no século XVII que a Quinta começou a ser reconstruída pelo Prior Brandão, concluindo-se as obras em 1622. Já no século XIX o Mosteiro foi vendido a um desembargador, e alguns anos mais tarde, novamente vendido ao tribuno liberal, José Estevão Coelho de Guimarães.

    A Quinta do Mosteiro atingiu todo o seu esplendor durante a posse do conselheiro Luís de Magalhães, na passagem para o século XX. Estadista, combatente monárquico e intelectual da geração de 70, Luís de Magalhães manteve grande intimidade com escritores como Oliveira Martins e Eça de Queirós, tendo este último referido algumas vezes, nas suas abras, a Quinta do Mosteiro e todo o seu especial encanto.

    Hoje a Quinta continua a transmitir o mesmo esplendor. Dividida entre duas famílias, Sottomayor e Vanzeller, a Quinta do Mosteiro mantém-se presente no nosso património, guardando para si um passado quase milenar.

    0.0 0.0