Ferramentas Pessoais

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Você está aqui: Entrada / Notícias e Eventos / Apresentação do Livro "Este lago não existe", de Vítor Burity da Silva

Apresentação do Livro "Este lago não existe", de Vítor Burity da Silva

Dando continuidade à política de promoção de livro e da leitura a Câmara Municipal da Maia, através da Biblioteca Municipal Doutor José Vieira de Carvalho acolhe a primeira apresentação pública do livro "Este lago não existe", da autoria de Vítor Burity da Silva, no próximo dia 14 de Fevereiro, pelas 17.30h. A obra vai ser apresentada por António Murteira da Silva e Ilda Oliveira.

 

O autor:

Vítor Burity da Silva nasceu na cidade do Huambo, em Angola, a 28 de Dezembro de 1961. Estudou Jornalismo em Lisboa, vive na Maia, Lisboa e Luanda. É autor do livro “Rua dos Anjos” (2008), do qual se extraiu parte do texto para manuais escolares de Português (12.º) e participou em várias colectâneas de prosa poética. Poesis (2007), Intemporal (2008). Publicou em jornais e revistas com vários prémios e menções honrosas. Foi redactor coordenador no Jornal do Exército, tendo obtido vários primeiros prémios em poesia e prosa poética.

 

A obra:

"O vazio antes era Malena, transbordado num lago que a morte constrói, neste breve corpo quase meu, tanta vida, teu, de ninguém, do fatídico, ou do impossível? Quem sabe se do irascível, raro ou crepúsculo, quem me disse um dia que se assim continuasse, jamais chegaria a outros e eu cheguei, não sei a quais, nem como, se cheguei, se não, apenas perguntar onde nunca ninguém saberá, garanto, responder ao que evito, ao que tento salvar numa redoma de nadas, num quarto antigo ou inventado, da cabeça rota e ruída, pelos apegos da maresia e do silencio e dos meus gritos, aqui, daqui, onde respondi a nada querendo apenas ouvir de ti, que nada era verdade, que nunca ali estiveste, jamais o rosto que eu levei conhecias, que era filho da mentira, possuído pelo estranho, rendem-se entretanto, cada qual a seu canto, cada canto em sua dor, mas não complicar, perdi novamente pois claro, seria pior não ser assim, tinha de alguma forma assim ser, entende, caramba, quem de nós afinal é nada…”.