Ferramentas Pessoais

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Você está aqui: Entrada / Notícias e Eventos / ENCERRAMENTO OFICIAL DA BIENAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA DA MAIA 2017

ENCERRAMENTO OFICIAL DA BIENAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA DA MAIA 2017

16 SETEMBRO | 21H00 | FÁBRICA 3ÁS | GRATUITO
ENCERRAMENTO OFICIAL DA BIENAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA DA MAIA 2017

“Shaping Shape - in-cisões-forma” | Intervenção artística de Diogo Aguiar + Pedro Tudela
Três elementos espelhados de grande escala ocupam o espaço intersticial entre os quatro silos voltados a poente, procurando reforçar a sua autonomia funcional, pela separação visual dos volumes convexos que os definem. A intervenção, também ela através de planos convexos reflete uma realidade distorcida, representando num mesmo plano curvo o céu e o solo envolventes, simulando um impossível atravessamento visual e moldando novas geometrias. O afastamento destes planos espelhados dos planos de betão que definem os silos procura atingir uma formalização tridimensional ao mesmo tempo que favorece a utilização de retro-iluminação no período noturno.


“Shaping Shape – Travessa” | Intervenção artística de Fahr 021.3 + Dalila Gonçalves
Grampos de ferro com diferentes tamanhos e orientações são cravados nas reentrâncias dos quatro silos. Numa alusão aos elementos de sustentação utilizados em arquitetura, nomeadamente na preservação de fachadas e edifícios, estas traves de metal agarram os diferentes cilindros tornandoos num elemento uno. Com intuito idêntico, restauradores grampeiam utensílios do quotidiano como pratos, jarros, copos, travessas. Neste caso, o gesto de preservação está ao serviço da história, agarra-se o passado, ao mesmo tempo que os objetos perdem a sua função inicial. Se entendermos este gesto à luz da nossa ação, os Silos passam a ser o Objeto e os grampos o suporte. Imaginamonos a olhar para a parte de trás de quatro vasos de porcelana branca agrafados entre si e onde no interior invisível continua a decorrer a ação.

Thunder & Co | Concerto
Os Thunder & Co são uma banda de música de dança a atirar para o emocional cujo som é caracterizado pelas batidas balançantes envoltas em acordes tristonhos e ambientes tensos. Pelo menos é o que tem saído da fábrica de trovões em Lisboa, propriedade de Rodrigo Gomes e Sebastião Teixeira. Atualmente, a banda é uma referência nos valores emergentes da música portuguesa, com um registo sonoro único e emocional, marcado por ritmos dançantes e contagiantes.