Ferramentas Pessoais

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Você está aqui: Entrada / Notícias e Eventos / Manuel Marques e a sua guitarra portuguesa num concerto memorável

Manuel Marques e a sua guitarra portuguesa num concerto memorável

O mago da guitarra portuguesa, como é conhecido no Brasil o Mestre Manuel Marques, deu no passado dia 8 de Julho, Domingo, à noite, no palco montado no espaço envolvente do Monumento à Comunidade Maiata, um concerto verdadeiramente memorável, integrado no programa oficial das festas do Concelho da Maia, em Honra de Nossa Senhora do Bom Despacho.

Manuel Marques fez-se acompanhar à viola, pelo seu filho Nelito e ao violão baixo, pelo seu neto Alexandre, juntando no mesmo palco, todo o clã dos Marques, em três gerações de músicos muito talentosos e senhores de uma técnica muito apurada, especialmente, o veterano Neca Garoto, como é conhecido em Milheirós, a terra natal do guitarrista.

Ao longo de mais de uma hora de concerto, as mãos virtuosas do mago das doze cordas, fizeram música para os ouvidos da imensa multidão de espectadores ali presentes, interpretando temas clássicos, como a Ave Maria de Bach-Gounod, que dedicou à Senhora do Bom Despacho, variações diversas, em particular as mais emblemáticas da cidade do Mondego, alguns fados e temas do repertório e do imaginário da música popular de raiz tradicional portuguesa, com destaque para o “Verde-verdinho”, composição de sua autoria que já caiu no domínio público e é hoje considerado um clássico da nossa música popular.                                                                                                                                                                               Guitarristas

Sempre bem disposto, com discurso agradável e verbo fácil, Manuel Marques conseguiu um ambiente propício à divulgação e valorização da guitarra portuguesa deixando, por certo, muitas pessoas com uma outra opinião e um novo olhar para um dos instrumentos musicais mais representativos da nossa cultura musical.

A nota mais dominante em todo o concerto foi o modo suave, por vezes até muito doce, como o Mestre extraiu da sua guitarra as belas melodias que compunham o programa e que nada tem a ver com a forma agreste e dureza como se ouve, por aí, tocar este instrumento.

 

Fotos: Cândido Ribeiro