Ferramentas Pessoais

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Você está aqui: Entrada / Notícias e Eventos / Resultados preliminares da escavação de emergência do sítio arqueológico do Barroso, Nogueira, Maia

Resultados preliminares da escavação de emergência do sítio arqueológico do Barroso, Nogueira, Maia

O Gabinete de Arqueologia da Câmara Municipal da Maia, durante o ano de 2010 e inícios de 2011 foi responsável por uma escavação arqueológica de emergência localizada no lugar do Barroso situado na envolvente Sul do Monte da Senhora da Hora, na freguesia de Nogueira, concelho da Maia.

A escavação arqueológica realizada no lugar do Barroso desenvolveu-se na vertente Sul e no sopé do Monte da Senhora da Hora, numa área de aproximadamente 572 metros quadrados que apesar da fraca expressão estratigráfica e de várias perturbações pós-de posicionais verificadas permitiu individualizar 4 momentos de ocupação compreendidos entre a Pré-história e a época romana.

Os vestígios mais antigos identificados neste sítio arqueológico são compostos exclusivamente por indústria lítica talhada em quartzo. Embora a área onde se identificaram estes materiais apenas tenha sofrido uma escavação parcial, uma vez que se situava numa cota sem afetação pela obra em curso, podemos preliminarmente sugerir uma ocupação do local num momento anterior ao IV milénio a.C.

Durante o II a inícios do I milénio a.C. este sítio foi novamente ocupado por comunidades de agricultores e metalurgistas da Idade do Bronze que ao longo da vertente Sul do Monte da Senhora da Hora construíram estruturas de tipo fossa, abertas no saibro, as quais podem encerrar variadas morfologias e funcionalidades.

Entre as várias estruturas escavadas deste tipo destacamos uma que nos poderá remeter para o universo simbólico e ritual destas comunidades. Trata-se, neste caso, de uma estrutura subterrânea ou em negativo, com cerca de 1,85 metros de profundidade, no fundo da qual foi depositado parte de um cadinho com aderências metálicas (práticas metalúrgicas). Após o enchimento da “fossa” com pedras, terra e saibro foi colocado em posição vertical um menir historiado através de polimento intencional e covinhas. Para além destas ocorrências, identificaram-se fragmentos de cerâmica de fabrico manual e vários elementos de moagem.

Posteriormente, o sítio arqueológico do Barroso foi ocupado por comunidades da Idade do Ferro que muito provavelmente construíram em todo o outeiro do Monte da Senhora da Hora e ao longo da sua vertente Sul e Este. Os materiais líticos e cerâmicos da Idade do Ferro exumados são em número reduzido e praticamente exclusivos do enchimento de uma pequena estrutura em negativo, localizada no limite da área intervencionada, possibilitam-nos, provisoriamente, um enquadramento cronológico entre o séc. II-I a.C.

No contexto de uma crescente relação comercial e política com o mundo mediterrâneo, entre os materiais da Idade do Ferro identificaram-se alguns materiais importados como elementos anfóricos e 2 fragmentos provavelmente campanienses.

Nos inícios da nossa era, ou seja, por volta do séc. I-II d.C. até ao séc. IV a inícios do séc. V, os materiais de época romana vão dominar o registo arqueológico deste local. Assim, deste período a escavação permitiu a identificação de cerâmica de construção de cobertura (tégula e imbrex), dolia, cerâmica comum, elementos de moagem, vidro e metal.

O sítio arqueológico do Barroso encontra-se assinalado no Plano Diretor Municipal do concelho da Maia como zona de proteção arqueológica com o n.º 52.